segunda-feira, 1 de maio de 2017


O 1.º de Maio não é só o Dia do Trabalhador, é também o Dia do Trabalhador imigrante. Convém relembrar: o Dia do Trabalhador nasceu porque, a 1 de maio de 1886, houve um manifestação operária em Chicago na qual, na sequência de uma bomba que vitimou fatalmente oito polícias, foram presos oito líderes operários (à época, anarquistas) dos quais quatro foram enforcados em novembro do ano seguinte e os outros condenados a prisão perpétua (quando se confirmou que todos eram inocentes, estes últimos foram libertados), na sequência de um julgamento político que chocou o mundo. Pois bem, dos oito “mártires de Chicago”, cinco eram imigrantes e dois outros filhos de imigrantes

O 1.º de Maio é também um dia das mulheres e das minorias. A memória viva dos “mártires de Chicago” foi durante décadas Lucy Parsons, uma oradora inflamada que era viúva de um dos enforcados, Albert Parsons, que com ela tinha vindo do Texas. A figura de Lucy Parsons destacava-se na sociedade norte-americana de então: tendo provavelmente nascido escrava, era descendente de africanos e de mexicanos. O casamento “misto” desta jovem mulher mestiça com Albert Parsons tinha sido motivo de escândalo. A luta pela diminuição do horário de trabalho, em que ambos se empenharam, não estava separada das lutas pelos direitos das minorias e pelo simples direito a amar e a ser feliz.

Do 1.º de Maio nasceu um movimento sem fronteiras e, como diríamos hoje (e muitos diziam já então), cosmopolita. Foi logo no ano seguinte, 1887, que a II.ª Internacional proclamou o dia 1.º de Maio como Dia do Trabalhador...

Continue a ler artigo do Público de Rui Tavares

Sem comentários:

Enviar um comentário