quarta-feira, 29 de maio de 2019

Mostra de Teatro das Escolas de Amadora


O Agrupamento de Escolas Fernando Namora participou novamente na XXª edição da Mostra de Teatro das escolas de Amadora, organizada pela Câmara Municipal, o Teatro Passagem de Nível e a Escola Superior de Teatro e Cinema.
Parabéns ao grupo da ESFN, a Malta, que passou a 2ª fase desta mostra, com a peça "O Inferno é já aqui", juntamente com a Escola Secundária de Amadora e a Escola Secundária Mães de Água. 
Parabéns aos alunos e aos professores que deram forma a este projeto e nos levaram através através de Um Auto da Barca do Inferno do século XXI a refletir, divertindo-nos, sobre os vícios da nossa sociedade. Não faltaram os políticos corruptos, os padres pedófilos, os advogados sem princípios, os incendiários, e outras tantas personagens, destacando-se pela sua malícia e simplicidade o Parvo. 
Foi um serão bem passado nos Recreios da Amadora.



segunda-feira, 20 de maio de 2019

Usa o teu o teu cérebro - Fundação Calouste Gulbenkian


O Agrupamento Fernando Namora foi distinguido com o 1º primeiro prémio do Secundário, no concurso “Usa o teu cérebro”, desenvolvido no âmbito do programa educativo da exposição Cérebro – mais vasto que o céu, concurso promovido pela Fundação Calouste Gulbenkian.
O cartaz vencedor resulta de uma parceria entre alunos do 8º ano na disciplina de Ciências Naturais que recolheram informação e imagens sobre as células do cérebro e os alunos do 12º ano na disciplina de Multimédia que elaboraram o poster.
Os alunos envolvidos são: Rúben Borbinha, Tiago Reis, Ricardo Fonseca, Nuno Pisco, Luísa Salvador, Leonor Caetano, Rúben Simão, José Tomé, João Paiva, Simão Gama, Rodrigo Santos, Madalena Pereira, Margarida Guerreiro e Wilza Nova da turma 3 do 8º ano com a professora Joana Barradas e os alunos Gonçalo Barroso e Raquel Gomes da turma 4 do 12º ano com o professor João Tomé.

Vejam a notícia em  o teu cérebro

quinta-feira, 9 de maio de 2019

Agrupamento de Escolas Fernando Namora premiado no concurso "Um olhar sobre Fernando Namora"

O Agrupamento de Escolas Fernando Namora associou-se às comemorações do centenário do seu patrono, promovidas pela Câmara Municipal de Condeixa.
Os nosso alunos realizaram vários trabalhos, muitos dos quais apresentaram a concurso. Três alunos foram premiados pelos seus trabalhos. 
Muitos parabéns aos três premiados:
  • Margarida Salvado Fonseca, do 2º ano, turma 2 da EB1/JI da Brandoa, que venceu na categoria Expressão Plástica, subcategoria de Bi-Tridimensional, com o trabalho “Tio Fernando”
  • Francisco Varesano, do 10º ano, turma 6-2, que venceu na categoria Expressão Plástica, subcategoria de Bi-Tridimensional, com o trabalho “Os homens espalham-se pela aldeia e pelas lombas de San Francisco“.
  • José António Medeiro, do 12º ano da turma 2ª, que venceu o prémio na categoria Expressão Literária, subcategoria de Prosa, com o trabalho “A morte do paciente, a vida do Doutor” e que recebeu, ainda, o prémio especial do júri.
O Agrupamento foi, também, distinguido com  o Prémio Honroso para a Melhor Participação de escola/agrupamento, pela qualidade do trabalho realizado.
Os trabalhos estarão em exposição na Biblioteca Municipal Eng. Jorge Bento, em Condeixa, de 6 a 25 de maio.

segunda-feira, 6 de maio de 2019

Concurso Nacional de Leitura - Fase Intermunicipal


Os alunos Maria Afonso do 3º ano, Gonçalo Fernandes do 4º ano (Alto da Brandoa), Samira Azevedo do 6º ano (SMBA), Diana Luz do 10º ano e Sofia Morais do 12º ano (ESFN) participaram, no dia 4 de maio, na fase Intermunicipal do Concurso Nacional de Leitura. Parabéns a todos pelo empenho e dedicação e um louvor para o aluno Gonçalo Fernandes que vai representar, na categoria do 1º ciclo, a região de Lisboa e Vale do Tejo na final do Concurso Nacional de Leitura.



domingo, 5 de maio de 2019

Dia da Mãe



Desculpa Mãe,
Por não ser tão forte
Como me ensinaste.
Desculpa,
Pelos medos vivo, que não dispersei
Pela voz errante, com que não gritei
Por todos os dias em que não rezei.
Desculpa, mãe,
Pelos poemas que não te escrevi
Pelas metáforas em que me iludi
Por velhas histórias em que me perdi.
Desculpa, esta paixão errada,
Pela solidão que alimentei em mim.
Desculpa o choro,
Desculpa a mágoa,
Desculpa Mãe,
Por não ter mais coragem
De lutar por mim
E ter sido o cais de todas as partidas.
Desculpa Mãe,
Se não fui tão pura como me sonhaste
Se não fui tão doce como me ensinaste
Desculpa a raiva,
Desculpa, Mãe
O voo incerto em que me escondi
Desculpa a dor,
No teu olhar cansado
O medo, o destino que não impedi.
Desculpa as mãos, Mãe,
Desculpa as mãos
Sempre tão abertas errando o momento...
Mãe, desculpa agora
Aqui, no momento certo.
Desculpa se não sou perfeita
E te desiludi!

Truly I (8º5ª)



Gustav Klimt






Pablo Picasso



Poema à Mãe
No mais fundo de ti,
eu sei que traí, mãe

Tudo porque já não sou
o retrato adormecido
no fundo dos teus olhos.

Tudo porque tu ignoras
que há leitos onde o frio não se demora
e noites rumorosas de águas matinais.

Por isso, às vezes, as palavras que te digo
são duras, mãe,
e o nosso amor é infeliz.

Tudo porque perdi as rosas brancas
que apertava junto ao coração
no retrato da moldura.

Se soubesses como ainda amo as rosas,
talvez não enchesses as horas de pesadelos.

Mas tu esqueceste muita coisa;
esqueceste que as minhas pernas cresceram,
que todo o meu corpo cresceu,
e até o meu coração
ficou enorme, mãe!

Olha — queres ouvir-me? —
às vezes ainda sou o menino
que adormeceu nos teus olhos;

ainda aperto contra o coração
rosas tão brancas
como as que tens na moldura;

ainda oiço a tua voz:
          Era uma vez uma princesa
          no meio de um laranjal...


Mas — tu sabes — a noite é enorme,
e todo o meu corpo cresceu.
Eu saí da moldura,
dei às aves os meus olhos a beber,

Não me esqueci de nada, mãe.
Guardo a tua voz dentro de mim.
E deixo-te as rosas.

Boa noite. Eu vou com as aves. 

Eugénio de Andrade, in Os Amantes Sem Dinheiro"